Tive uma experiência quanto a temporalidade dos documentos pessoais que acho importante dividir com todos. Ao solicitar o meu extrato de contribuições junto ao INSS para verificar a regularidade do cadastro (CNISS), verifiquei que 02 empresas que trabalhei no passado (em 1994 e em 1998) não apresentavam as contribuições mensais. Achei muito estranho tendo em vista que são bancos grandes.

Ao procurar um posto da previdência eles me informaram que para que este tempo conte como contribuição eu teria que apresentar os contra-cheques provando que estes recursos foram descontados do meu salário. Argumentei que as datas de admissão e demissão estavam corretamente informadas no extrato, o que não tinha eram as contribuições mensais. Desta forma, eles poderiam solicitar a estas empresas o comprovante deste recolhimento. Não adiantou. Me informaram que eu deveria ir atrás destas empresas e solicitar uma relação atualizada dos contra cheques, assinada pela empresa, para eles poderem regularizar. Contra argumentei que se a empresa tivesse agido de má fé eles não dariam esta relação. O técnico concordou comigo e disse que realmente muitas empresas só fornecem esta informação com Mandato Judicial. Neste caso, eu teria que mover uma ação contra a empresa.

Moral da história, todo assalariado deve guardar os seus contra cheques pelo prazo de 35 anos para poder se aposentar com tranqüilidade e não depender da informação de um terceiro.